Fajã da Caldeira de Santo Cristo, São Jorge

Fajã da caldeira de santo cristo, São Jorge

Um ano depois, não consigo esquecer a sensação de pisar um lugar praticamente virgem, quase como se fosse a primeira presença humana. E isso é só o inicio da recompensa depois de 2h30 a caminhar para chegar ali. Incrível pensar que num local tão isolado outrora habitavam 300 pessoas o ano inteiro. Hoje são apenas 3.

Não há internet, não há rede de telemóvel, a energia é solar e os únicos veículos motorizados que existem são meia dúzia de motos 4 que cumprem horários restritos de circulação. Em contrapartida, encontramos um mar sem fim, a montanha e o peixe mais fresco que existe. A presença humana é fugaz e quase inexistente, a maior parte está de passagem em rota para a Fajã dos Cubres uns quilómetros mais à frente. Felizmente, são poucos os que decidem ficar uns dias como nós, mas essa é a verdadeira experiência. É preciso tempo para observar, absorver os detalhes.

Vimos como a primeira luz da manhã ilumina a montanha, transformando-a num espectáculo de claro-escuro único. Ao almoço comemos as amêijoas que crescem ali na lagoa, as únicas no arquipélago. À tarde mergulhámos no mar e apanhámos lapas que foram grelhadas logo de seguida, acompanhadas de um vinho branco do Pico, bem fresco. À noite ouvimos o som do vento em sintonia com as ondas que deslizam nas pedras roladas. No dia seguinte acordámos com a única certeza possível: isto é um lugar marcante! Já tinha ouvido várias histórias de amigos, todas elas fascinantes. Mas não há como ir e sentir tudo.

Fajã de santo cristo

Fajã da caldeira de santo cristo

Fajã da caldeira de santo cristo

11 opiniões sobre “Fajã da Caldeira de Santo Cristo, São Jorge

  1. Olà , sou a Lara .
    Vi algumas fotos maravilhosas dos Azores e Portugal , adorei .
    Estou sempre mais apaixonada por Portugal , lugares , comidas , ceramicas , viagens … Vivo na Suiça , mas gosto sempre muito de voltar ai . Estou interecada nos vocos workshop … È possível saber mais informacoes ? Muito obrigada. Lara

    Gostar

  2. E os cheiros, e o barulho dos passaros ao amanhecer, também estive lá duas vezes, uma fiz a descida sozinha, da segunda vez já levei a cara metade!

    Gostar

Os comentários estão fechados.

Create your website at WordPress.com
Get started
%d bloggers like this: